Poema Passageiro

No meio do meu sorriso
abriu-se uma fenda, partindo rans da minha memória.
De um lado é possível sorrir o amor
do outro, traduzir as hipérboles sem suprimir delas encanto.
No desfecho do sonho nublado
brilhou uma canção de olhos fechados
Raios cortantes cruzaram o céu do meu dia
Salva de mim, parti para um futuro possível
e lá construí minha morada.

Postar um comentário