Lírica

Eu-templo, preenchida de vazio e vozes, dou de comer à heroína do abismo. Nesse lugar que me apavora, ela é a porta do céu. Bebo o sangue de suas veias e me santifico.


Postar um comentário