Amortecida


Como se não houvesse mais fôlego para o suspiro, pari dramas silenciosamente. Havia algo de penoso no lúdico olhar do louco. Astúcia em doses doces, gotículas homeopáticas anti-tranquilizantes.

Promoveu-se tanta desordem que o caos se apropriou dos sentidos rangendo os dentes. A aparência que apreendia das coisas era imperfeita naquele instante.

Busquei pensar fora da máscara e promovi um festival de mitos indizíveis, relatando cenas mudas em ondas dissonantes, capazes de perfurar tímpanos com verdades assustadoras.

Camuflei um sorriso no largo lago de lágrimas e fingi estar longe dos espelhos, nua. Estátua viva, disse com olhos de quem tudo diz, a minha vontade de desaparecer com tudo numa reza.

Foi aí que o meu corpo ardido ventou forte, e quando quase descontrolado voou, retornei brisa.

Naquele momento poupei palavras. Tudo não passara de fantasia. Tudo cenário bordado do meu conto encantado. Era semelhança e farsa. Julgamentos baseados em nada (real).

Eu-pedra, eu-mármore, eu-carne.


Barbara-Ella

Março 2011

Postar um comentário