Cão de Algodão














Um cão de algodão
sai de trás do verde morro
No branco do seu rastro
um avião levanta voo

O verde do morro escorre
Lá se vão letras voando
O branco perdemos de vista
e o céu vira oceano

Vinte e seis sorrisos depois,
o sol aparece.


Barbara-Ella

9 comentários:

(sheyladecastilhoº disse...

ta lindo o blog repaginado!!!
vou passar a manhã vendo tudo!!
adoooro...

beijão

Sereníssima-Lena Ferreira disse...

lindíssimao e essa poesia de abertura:INSTINTIVAMENTE LAVANDA fala bem de vc...da sua densa e intensa maneira de ser SER!!

Linda, linda. Beijos, muitos, Ella. Amu tu \o/

erikinha_nascimento disse...

Linda Lavanda,
O blog está ótimo e está belíssima na foto...

Louis ALLLien disse...

ficou do caralho essa repaginada, o título então nem se fala... sou fã.
vou revirar tudo aqui...beijos!

Luar Lian disse...

Lindo o blog, mesmo!
bjs
Márcia L

VANDA FERREIRA disse...

Lavanda, de vanguarda, ídola de Vanda, poesia da Bugra pra vc,

Poema do Meio-século

Carne pirograficada
estilizado grafismo
pontua a pele
demarca as faces;

Par de profundas fendas
expressividade sentimental
contação auto-biográfica;

Rosto mapeado,
tatuado de versos,
linhas de particular história
cravadas em esculpida página-entre-parenteses;

Sinal lunar
resumo de quartos minguados
boca fechada fala:
Lê-se na brecha
das nesgas de marfim
(harmonizadas porcelanas).

Paladar experimenta versos salivados
esfregados no céu de particular mundo.

Sentimentos? É a carne quem os vive!

Rafael disse...

Hoje o dia está morto.

Kiara Hilde disse...

Ah linda a repaginada no blog! Vou passar a manhã revirando tb.. Bjos

Ana Claudia disse...

Uma gracinha esse poema. :-)